quinta-feira, 15 de março de 2012

Hardcore.

Trabalhar em Urgência não é para todos. Ainda hoje encontrei um colega que acaba de deixar o serviço que desabafava "Ao fim de ano e meio já não conseguia ir trabalhar com prazer". E ontem foi na verdade um desses dias bem difíceis...
Para começar recebemos 3 crianças deste acidente indescritível . E isto, do ponto de vista emocional foi muito duro para todos ainda por cima sabendo de tudo o que se tinha passado... Depois recebemos acidentados, enfartes, paragens cardíacas, sei lá! Num determinado momento tínhamos TODA a equipa de enfermagem dentro das salas de reanimação com 4 pacientes a serem tratados ao mesmo tempo!! Juro que nem este post aqui faz justiça ao granel ( isso mesmo, granel, confusão, caos) que se instalou, ainda por cima com o stress de termos de fazer sair pelo menos um dos doentes porque tínhamos um quinto paciente a chegar de heli. E é este tipo de pressão, esta adrenalina de fazer as coisa depressa e o melhor possível que mata a relação da maioria dos enfermeiros que chega ás urgências. A culpa é das séries de médicos, como ER, Anatomia de Grey e outras que tal que passam uma imagem muito romântica das coisas. Depois na realidade as coisas são, normalmente, muito duras e cruas.
Mas dizia eu, trabalhar nisto não é para todos os estados de alma... mas, depois de um dia de LOUCOS com imenso trabalho quando chego a casa arrasado fisicamente e começo a contar o meu dia cheio de casos "engraçados" e "porreiros" de doentes politraumatizados, drenagens torácicas, enormes feridas sangrantes e doenças multifactoriais em doentes descompensados, a minha mulher olha para mim de esguelha e diz: "Engraçados? És louco... estou enjoada só com a descrição!" E nesse momento eu tenho a certeza que, na verdade não há nenhum outro serviço em que eu possa tirar tanto como das Urgências!

3 comentários:

Carla Isabel disse...

Ai pá vocês merecem tudo!
Nem tenho palavras!

Brisa disse...

Como se consegue separar o estado de alma do trabalho que tem de ser feito, custe o que custar?

Anónimo disse...

Acaba por nunca se separar, pelo menos eu acho. Simplesmente porque se alguém exerce esta profissão é porque gosta de pessoas e de dar o seu máximo para salvar vidas. Depois é so utilizar todos os conhecimentos e recursos que possuiu e ter sangre frio :)