quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Da total ausência da noção de espaço.

Uma das prioridades (ou A prioridade) assim que pise o solo helvético é encontrar uma casa para a família. Claro que estou careca de visitar os sites com as ofertas para aluguer de casas e já tinha constatado duas coisas essenciais: são poucas casas disponíveis; as disponíveis são caras. Definimos que, neste momento poderemos ficar-nos por uma casa apenas com 2 quartos. E então partimos à descoberta da casa ideal, muito embora ainda apenas virtualmente!
Mas, este fim-de-semana ao discutir o assunto com um amigo e enquanto lhe mostrava as ofertas e a sua localização relativa ao hospital onde vou trabalhar e considerando os transportes públicos disponíveis bem como as escolas para os putos e por aí fora, ele sai-se com esta observação: "Mas olha que a maioria destas casas são muito pequenas!", e eu "Pequenas? Pequenas como?", e ele "Então, lembras-te da minha anterior casa?" (claro que me lembro!) "Essa casa tinha uma área total de 60 m2." A casa em questão é mi-nús-cu-la. Eu olho para a lista de casas que tenho à minha frente: 58, 64, 76, 61, 55, 70, 63 m2...
ISSO É O TAMANHO DO MEU RÉS-DO-CHÃO!! Como é que vai ser a vida desta família de 4, dois dos quais rapazes pequenos que fazem tudo menos estar sossegados? Como será a vida numa cozinha do tamanho de uma cabine telefónica? Qual será a sensação de, durante o sono, colocar o braço de fora da cama e conseguir tocar nos meus filhos que dormem no quarto do lado? Como será estar sentado no sofá da sala com as pernas esticadas pelo corredor? E os meus filhos, com apenas um quarto para dois, julgo que terão uma convivência sã mas barulhenta! E convém lembrar que não haverá jardim para enxotar os putos... a não ser que os enxote para as escadas de serviço do prédio... Mas, acima de tudo o que mais me preocupa é a seguinte questão: como é a vida numa casa com apenas UMA casa-de-banho? Digamos que, ao acordar, o banho é apenas a segunda coisa que eu faço no WC...
Portanto, o espaço a e sua ocupação serão preciosos principalmente para quem, como eu está habituado a ter o espaço de uma vivenda (ainda que pequena) e que gosta de se sentir "à larga". Por isso viro-me para a cidade santa de Estocolmo e ajoelho-me rezando ao todo-poderoso deus IKEA, criador de todo o espaço útil de arrumação dos humanos e suas tralhas,  que me dê força e inspiração para sobreviver à gloriosa aventura que me espera. EXPEDIT! (é como dizer "ámen" mas no vocabulário IKEA.)

Faltam 23 dias.

8 comentários:

Ana C. disse...

Estás fecundado, ou em latim, fecuntatum est Micael.

gralha disse...

Boa sorte com A casa, que é mesmo A maior prioridade (a par com a escola dos meninos). Vais ver que sais daí com capacidade de adaptação a quase tudo :)

joao disse...

coragem;)

Claudia Borralho disse...

vai pensando em camas altas, tipo beliche mas sem a cama debaixo :)

Madalena Sousa disse...

Ok ok, ninguém gosta de casas pequenas, mas pode pensar que será temporário. Porque apesar de haver praticamente tudo na net, ainda há os resistentes que metem um letreiro na janela a dizer arrenda-se em helvético! :P Ou até algum colega do hospital que tenha um primo com uma casa para alugar nas redondezas. Uma vez estando lá há algum tempo será mais fácil encontrar casas e procurar noutros sítios que talvez não fossem óbvios ao início.
Good Luck.
E se houver dúvidas é ir ver as casas que o Ikea tem de 25m2. ;)

Anónimo disse...

Olá Miguel! Eu vivo em Genebra e sim aqui os apartamentos são minúsculos. Prepare-se para isso e para a grande 'batalha'da procura de casa.É que aqui não basta mostrar por A+B que tem dinheiro para pagar a renda, é preciso provar bem provado, além de que as rendas são caras. Aqui (pelo menos em Genebra) tudo funciona com as "régie" uma espécie de imobiliária, mas que também trata dos condomínios. Mas Boa sorte, vai ver que tudo se arranja. Joana

Melissinha disse...

Pá, saí dum de 20 m2 (sótão) com a minha mãe para um de 40m2 para, hoje, viver numa mansão de 70. Sou riquíssima.

É tudo uma questão de leitura.

Anónimo disse...

Boa noite! Eu vivo em Yverdon e confirmo... o arrendamento aqui é bastante caro... depois há que jogar com a localização... por vezes não vale a pena escolher um sitio mais longe do trabalho para viver porque depois os transportes publicos tb são caros... a procura de casa faz-se um pouco como a procura de emprego... temos de ter um dito "dossier" com toda a documentação que as agências pedem... autorização de residencia, fichas de salário e até uma declaração em como não temos dividas... as chamadas porsuites!! É tudo uma questão de sorte e claro de conhecer alguém que dê uma maozinha! Existem agências nas quais se pode pagar para subir para o topo da lista... isto pq quando se encontra um apartamento estamos sempre dependentes da analise do dito dossier...!!! Boa sorte!