quinta-feira, 19 de abril de 2012

Já se nasce assim, é o que é.

Se se fizesse uma sondagem junto de quem me conhece há mais anos acerca de qual a característica que melhor me define, estou certo que "competitivo" figuraria nos lugares do topo. Quem me conhece desde pequeno poderia substituir o adjectivo "competitivo" pelo menos nobre "mau-perdedor" e eu percebo-os. Afinal eu sou o tipo que berrava com eles durante os jogos de futebol e que tem a seu cargo a destruição de várias raquetes de tenis, badminton, tacos de bilhar. Um verdadeiro McEnroe da aldeia! Mas acho que alguns dos meus amigos de infância nunca me chegaram a entender. Eu não tenho qualquer problema com a derrota em si mesmo mas tenho com o acto de desistir e com a minha própria falta de habilidade. A razão pela qual eu me passava com os meus colegas de equipa (e atenção, nunca mas nunca a minha cólera era dirigida ao adversário) prendia-se com o facto de alguns deles desitirem antes do final do jogo. Podia estar a perder por 3 ou 4 mas dava sempre o meu máximo até ao fim. O "não vale a pena" exaspera-me de uma maneira quase irracional. Por outro lado, ficava tão frustrado com a minha falta de habilidade, a minha incompetência que tinha de largar a minha frustração de alguma forma: as raquetes e os tacos eram as vítimas.

(o parágrafo que se segue está cheio de auto-elogio mas era necessário para enquadrar, OK?)

Mas esta forma de ser trouxeram-me várias "distinções" (se assim lhes podemos chamar) ao longo da vida: na primária (no tempo em que havia só uma professora para os quatro anos!) a minha professora colocava-me sempre na turma do ano a seguir ao meu e, mesmo assim, conseguia sempre os melhores resultados. Só nunca foi formalizada esta "ultrapassagem" porque os meus pais acharam (e bem) que não era vantajoso para mim saltar etapas. No antigo "ciclo" (5º e 6º ano) fui sempre o melhor da turma e o mesmo até ao 7º. Perdi-me um pouco do 10º ao 12º mas depois fui o melhor da recruta, melhor do curso de soldados, melhor do curso de Enfermagem.
Hoje, do alto dos meus 33 anos e com dois filhos já não sinto a necessidade de me comparar com outros. De me medir em relação ao outro e tentar superá-lo. Mas descobri um outro adversário bem mais difícil: eu próprio. Ser melhor em todos os aspectos da minha vida de pai, de marido, de enfermeiro. Descobri isso com a corrida onde já não corro para chegar á frente dos outros todos (até porque não sou capaz!) mas sim de me superar enquanto corredor. Jogar à bola é agora algo divertido, que faço sem me chatear. Afinal estamos todos velhos e gordos (eu não, atenção ás confusões).
Hoje enquanto jogávamos o Super-Mário (e esta personagem ainda vai dar um texto!) na Wii e no final de uma prova eu festejava o meu desempenho, o meu filho Gabriel muito surpreendido com a minha alegria perguntou:

- Paiiii! Porque é que estás a festejar?
-Ora filhote, porque fiquei em 2º lugar!
(e ele devolve-me esta resposta sem hesitar...)
-Mas pai, ficar em 2º também é perder...

I rest my case.



1 comentário:

Carla Isabel disse...

Ok. quem sai aos seus...