terça-feira, 30 de outubro de 2012

Nada de mais.

Ainda acerca do post anterior gostava de fazer alguns esclarecimentos. Na verdade, em Portugal assistiu-se a uma transição de um extremo para o outro. Passo a explicar: anteriormente, para se conseguir acesso a uma especialidade tinha que se ter alguns anos de experiência profissional com algumas competências ao nível da chefia e da formação. Ou seja, tínhamos nos cursos colegas já antigos que faziam essa formação numa perspectiva de atingir uma posição de chefia nos hospitais. E isso pervertia o objectivo de se ser Especialista que é, na minha opinião, um profissional que aprofunda a sua formação num determinado domínio para depois contribuir com as suas novas competências na prestação de cuidados. Na verdade os Especialistas tornavam-se Chefes e perdia-se todo o sentido de de formarem numa área específica dos cuidados uma vez que eles não prestavam cuidados. Actualmente o acesso a pós-graduações, mestrados e doutoramentos vulgarizou-se. Qualquer pessoa que possa pagar pode ser "doutor" numa determinada área. O problema é que temos agora "mestres" e "doutores" aos montes que, na prática, fazem exactamente a mesmíssima coisa que um Enfermeiro que tenha a formação de base. Passou-se dos Especialistas-Chefes para os Especialistas-mas-afinal-não. É a "formação a metro", a "construção de currículo académico" mas com um objectivo prático nulo. E parecendo que não, esta vulgarização de doutores e mestres nas fileiras de mão-de-obra indistinta que são os Enfermeiros de hoje em Portugal só prejudica a classe uma vez que retira valor às formações e às especializações que, diga-se, não são devidamente reconhecidas por ninguém, a começar pelos próprios enfermeiros.
Foi esta falta de reconhecimento que me fez nunca investir na minha formação, a um nível formal, em Portugal. Essa história de investir em formação para "valorização pessoal" não me convence. Sendo talvez muito frio, eu não vivo para trabalhar mas trabalho para viver: investir o meu tempo e o meu dinheiro numa formação que sei à partida que não me vai dar nada em retorno profissional parece-me muito francamente, estúpido. Se é para as minha novas competências adquiridas à custa do meu esforço não serem reconhecidas, então prefiro pegar nos livros e artigos e estudá-los de uma forma informal. Valorizo-me pessoalmente na mesma mas o investimento é muito menor.
Já aqui a formação profissional democratizou-se, o que é completamente diferente de "vulgarizou-se". Ou seja, os Especialistas trabalham na sua área de formação lado-a-lado com os outros colegas, com doentes atribuídos. Ser especialista não é nada do outro mundo, é apenas um colega cuja formação é mais aprofundada. No meu serviço o objectivo é que cerca de 30% da equipa seja especializada e são esses 30% que serão a base de funcionamento da equipa. O especialista é alguém de referência na equipa. Quer do ponto de vista informal, quando os colegas mais novos ou não formado lhe colocam dúvidas e questões, quer do ponto de vista formal quando assume funções de coordenação da equipa num determinado turno ou quando é responsável pela formação do resto da equipa num determinado tema. Para se ser Chefe é preciso antes ser especialista mas só isso não chega. Depois de se ser especialista é preciso anos de trabalho antes de se poder sequer pensar em concorrer para chefe.
Por isto disse no texto anterior que esta formação abre muitas portas porque a Especialidade não é um fim em si mesmo, é apenas o primeiro passo para um novo nível na minha carreira, mas um nível onde ainda vou ter de provar a minha competência. Mas não me assusto porque para mim, quanto maior o desafio, maior a motivação!

2 comentários:

Melissinha disse...

Infelizmente não é só na tua área, Miguel.

Carla Isabel disse...

O que descreves aplica-se a quase tudo ....

Boa sorte! :)