quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

Crónica do Sossego.

Tenho um sentimento de ambiguidade relativamente a Portugal: 15 meses (já!) depois de aqui ter chegado sinto-me ao mesmo tempo apreensivo pela situação que se vive no país natal e aliviado por ter vindo. Na verdade quando me ponho a imaginar qual seria a minha situação se tivesse ficado em Portugal, tendo por base todas as alterações e cortes que os colegas que estavam em situações semelhantes à minha, sinto um nó no estômago. Por isso, bravo a todos vós que têm a coragem de ficar!
Por isso custa-me por vezes a crer na vida que hoje tenho quando comparado àquilo que tinha em Portugal. Na verdade é um sentimento que me invade frequentemente e que até já comentei com alguns colegas. Hoje tenho um trabalho apenas e não dois, apenas um salário que me garante uma qualidade de vida como não me lembro de alguma vez ter tido em Portugal. Trabalho num serviço de topo a nível nacional com condições materiais, físicas e humanas que em Portugal são apenas um sonho louco, mesmo nas CUF's, nos Hospitais da Luz e outros hospitais e clínicas privadas consideradas "de excelência". Ao final de um ano, deram-me a possibilidade de frequentar uma pós-graduação de Especialidade sem custos para mim e com reais perspectivas de evolução na carreira após a conclusão do curso. E agora eis que sou contratado como Instrutor de Primeiros Socorros e Suporte Básico de Vida numa empresa que dá formação na área da saúde! Tudo isto sem cunhas, sem padrinhos, sem empurrões. Apenas e só com a força do meu currículo, da minha experiência, da minha pessoa. E isso é tão refrescante para quem estava habituado aos culturais "compadrios" portugueses.
Enfim, perdoem-me este texto, pode parecer um pouco ofensivo para quem está um pouco "entalado" e não tem outra saída se não aguentar (não são palavras minhas, são do Ulrich!) mas quando olho para trás, apesar da tristeza por ver o rumo que toma o meu país, sinto-me muito mas muito aliviado!

PS: para quem tiver curiosidade acerca do meu actual local de trabalho cá vai o link para o site internet. Todos as pessoas que aparecem nas fotos são profissionais reais e os meus novos colegas! Eu não apareço no site mas se virem a reportagem acerca do serviço que está la no site (Temps Present) aí sim...    

9 comentários:

Naná disse...

Miguel, só se sentirá ofendido quem tiver dor de cotovelo...

Porque no fim de contas é preciso coragem para ir à procura de vida melhor num país estranho. Nem todos o conseguem!

É bom ler que existe em alguma parte do mundo alguma justiça no que ao mérito profissional diz respeito. Realmente estamos mesmo muito mal habituados!

Ana. disse...

Ainda ontem falei em ti com uma amiga e dissemos que saíste a tempo, Miguel. Sabemos que se todos os bons profissionais se forem, o país fica cada vez mais pobre, mas a verdade é que cada um tem de lutar por si e pela sua família.

(Vi o documentário e apesar de não entender tudo o que se diz, fiquei com um respeito ainda maior por quem faz este trabalho. E vi-te, no finzinho!)
;)

Anónimo disse...

Pois mas sees teu curriculo foi conseguido em Portugal.....secalhar nós é que somos os bons profissionais comparados com os dos outros paises...

Anónimo disse...

Boas Miguel,

Gostava só de dizer que não estás sozinho nessa ambiguidade de sentimentos. Embora numa àrea e país diferente a minha situação é identica e dou por mim regularmente a pensar se fiz a melhor opção e pelas mesmas razões que tu chego à conclusão que sim foi a melhor opção e que foi na melhor altura (à 18 meses)

Acredito que melhores dias virão para Portugal só não sei quanto tempo demorarão.

Abraço de UK.
Victor

Ana C. disse...

Sabes que uma das grandes vantagens de se viver em Portugal, seu grande ingrato, é precisamente poderes bazar daqui.

Blan disse...

Sigo-o desde que andava a vender os "tarecos" para sair de Portugal. Que bom que está tudo a correr bem. Muitas Felicidades!

Naja disse...

Miguel,

Hoje mesmo escrevi no meu blog a minha delineada estratégia para fugir daqui...

Agradeço-te do coração este texto. Acaba por ser um reforço às minhas ideias. Afinal, elas estão mesmo corretas.

Um beijinho e continuação de boas experiências.

p.s. Relativamente ao post de cima, igualmente forte, tenho pouco a dizer. Em regra digo que a morte nos tira a dignidade toda... nunca me lembrou até hoje que há pessoas que se matam em busca da mesma dignidade...

Helena disse...

Olá Miguel! Começei a ler o teu blog à pouco tempo mas já não perco um post. Estou apenas no primeiro ano de Enfermagem mas já sei bem o que quero, como tu, assim que acabar o curso vou procurar um país para poder exercer esta profissão que tão pouco é respeitada em Portugal.
Desejo-te tudo de bom.

Inês Barril disse...

Olá Miguel,

Também estou fora de Portugal, já la vão 5 anos... e concordo é preciso ter coragem para ficar, mas também penso que é preciso ter muita coragem para voltar. Ainda que doi não poder voltar a Portugal pelo menos de momento, custa pensar em voltar quando as oportunidades são poucas e queremos ter essa qualidade de vida que descreves.

Muita sorte, porde ser que um dia possamos voltar, e se assim for, vamos dar muito mais valor.