sexta-feira, 19 de junho de 2009

IRRA!!!

Fico piúrso... mas mesmo piúrso, pior que estragado e já me estragaram o turno quando acabo de vestir uma farda lavadinha, passadinha, a cheirar a Skip Concentrado Brisa Marinha e, no primeiro doente que atendo, fico logo todo cagado!! Como? Eu explico. Há inúmeras maneiras mas eu vou referir-me àquelas que são duas das principais maneiras de um gajo se cagar todo no exercício da nobre e secular, cansativa e não reconhecida profissão que é a Enfermagem.
Em primeiro lugar: drenar quistos. Quistos como estes. Um gajo aperta, aperta e ZÀS!!! Sai um jacto de nhanha verde, purulenta e malcheirosa que nos atinge EM CHEIO no peito (com sorte, porque eu já levei com isso nas trombas!), já para não falar que ficam as paredes e até o tecto com aquela porra a escorrer. E depois? Por mais que limpemos com álcool ou com outra merda qualquer fica sempre lá aquele espectro da mancha de sujidade que nos sussurra "Eu estou aqui... estás todo cagado com o produto merdoso de uma infecção do de um gajo qualquer que tu não conheces de lado nenhum e não sabes em que vida anda..." E é impossível trabalhar com esta vozinha sempre na nossa mente.
Em segundo lugar: estamos a preparar algum medicamento que exige uma mistura dentro de um ampola de vidro. Invariavelmente a pressão dentro dessa ampola aumenta bastante e, por vezes PUM!!! a pressão faz desconectar a agulha da seringa e tomamos banho com aquela porcaria toda! Acontece mais com os antibióticos, uma vez que tem que se diluir um pó dentro de uma ampola.
Esta segunda situação também pode acontecer quando estamos a administrar um líquido num sistema de soro ou a dar a alimentação por uma sonda nasogástrica. Certo dia, ainda era aluno, estava a administrar uma seringa de antibiótico na veia de um bebé quando chega a médica que pergunta se pode auscultar o menino. "Claro!" e enquanto ela se debruçava em direcção à barriga do bebé eu introduzia o líquido. Sinto uma pressãozita no acesso e carrego mais um pouco e aquilo salta do encaixe, espalhando líquido amarelo mesmo em cheio na face da médica!!! Não sei como não me rebolei no chão a rir quando a médica saiu, furiosa, do quarto. Numa outra ocasião, um colega alimentava um doente através de uma sonda pelo nariz. Enchia a seringa com sopa passada e depois colocava-a na sonda e empurrava a comida. Fazia isto enquanto conversávamos e, de repente, a seringa salta da sonda e o meu colega envia um jacto de sopa em direcção á cara do doente!! Aqui ri-me a bandeiras despregadas e gostava de ter tido uma máquina fotográfica para guardar o ar furioso dele. Quando o doente se levantou, na parede estava o contorno da sua cabeça, como se vê no CSI mas em vez de sangue, havia sopa de cenoura.

11 comentários:

Sílvia disse...

Pseudo-Solução ter várias fardas a cheirar a Skip que por acaso cheira bem que se farta =)

bj****

Ana C. disse...

bahhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhhh
Se estivesse à minha frente de farda Skip Fragrâncias da Natureza, levavas já com o meu vómito de baptismo em cima! Então isto escreve-se? É daquelas coisas tão nojentas que não conseguimos parar de ler...

rosemary disse...

Blagh! É preciso ter estômago para aguentar isso! Porque há dias em que não temos paciência para nada...

bjs*

B. disse...

Também é muito giro quando partimos uma ampola com ferro e acontece o dito cujo desastre na farda do colega que está há nossa frente... E por mais lavagens que aquela farda tenha... Fica sempre lá a recordaçãozinha :x * Ou então quando estamos a alimentar uma doente pouco colaborante e ela cospe literalmente a sopa na nossa cara :D

Hope disse...

Mas os tais quistos para drenar não eram os teus favoritos? Deve ser mesmo engraçado ficar a pingar uma nhanha nojenta... :p

undutchablegirl disse...

Skip Concentrado Brisa Marinha? Adorei o preciosismo, ah ah ah ah ah ah ah ah!

Gaya disse...

Miguel, esse humor negro é fascinante! A maneira como consegues dar a volta às agruras do trabalho e sair por cima com um sorriso nos lábios é deveras interessante!
Concordo com a Sílvia, várias fardas é a solução!! :D

little_star disse...

só para acrescentar na lista das maravilhas do nosso dia-a-dia: uma doente traquestomizado que ainda está na fase de aprendizagem de tosse e/ou expectorar eficazmente... vai farda, corpinho, roupa da cama, paredes, tecto,...! Que beleza não é?

Only Words disse...

hahahahahahahahaha O que me ri!!!! Admiro bastante os profissionais de enfermagem, porque estão expostos a situações que não lembra ao diabo mais velho. Eu não teria estômago para certas coisas, confesso. Ainda me estou a rir da história da sopa hahahaha Tens de começar a levar várias batas, para situações de javardeira. Ou então, usa as descartáveis ;)

S* disse...

Ai que nojo. essa do quisto no rabo do doente é nojenta. Nao contes essas coisas que eu sou sensivel. :P

Solita disse...

Hahahahha!!!!


realmente, há que gostar mesmo muito da profissão para aguentar estas coisas.

Aproveita o concelho.

Várias fardas sempre de reserva.