segunda-feira, 29 de novembro de 2010

O que faço eu com o Facebook?

Fartei do Facebook. Alguns meses apenas de utilização intermitente bastaram para não saber o que faço eu com aquilo. Abençoado Mark Zuckerber que ultra-enriqueceu com a sua criação.
Para mim, o problema com o FB é que é chato. Chatinho mesmo! Excepções honrosas feitas a meia dúzia de amigos que escrevem uns murais porreirinhos (curiosamente são amigos que saíram aqui da blogosfera!) o resto é um vazio de ideias, de interesse. Nunca compreendi a euforia e a dedicação às quintas virtuais (parece que isso morreu, benzadeus!), ás guerras de gangsters, ás lojas e bares virtuais. Os grupos criados no FB, apelando a esta ou àquela causa apesar de serem frequentemente mencionados na comunicação social são, na sua maioria, vazios. Porque, na realidade são apenas alguns milhares de pessoas cuja única contribuição para a causa foi um clicar em "gosto" ou em "adicionar grupo".
Os murais individuais são um desfile de palavras vazias, sem interesse, fúteis. E dá-me uma tremenda vontade de comentar "seca", "que bom pra ti", "o qu'é q'eu tenho a ver com isso" tal é o desinteresse, a falta de inteligência associada. Ou isso ou os textos automáticos das aplicações parvas tais como frases do dia, qual a celebridade mais parecida contigo, constrói a tua árvore de natal, o teu animal virtual, etc, etc, etc. Tenho pouco mais de uma centena de "amigos" no FB e apenas uma mão cheia deles (mais uma vez os mesmos que conheço da blogosfera!) tem murais interessantes, comentários interessantes e inteligentes, coisas com estilo! Calculo que o FB não faz milagres. Se alguém é desprovido de interesse na vida real o seu mural do FB está condenado também ao bocejo!
Pensando bem, a principal razão pela qual eu não me dou muito com o FB tem mais a ver comigo do que com qualquer outro dos factores descritos. É a mesma razão pela qual nunca gostei do Messenger ou do Twitter. A comunicação é muito limitada. Palavras soltas, pequenas frases não funcional comigo. Exceptuando apenas aquelas frases que significam tudo, só ao alcance de algumas cabeças geniais, eu gosto de textos elaborados, fundamentados, argumentados e contra-argumentados. Também não sou grande fã de SMS já agora! E é por isto, acho, que prefiro os blogs. No fim de tudo, não consigo ser um gajo sucinto!

8 comentários:

I. disse...

Também acho aquilo uma seca das grandes. Mil vezes os blogs! Deve ser bom para engate, mas como estou fora do "mercado", não posso afiançar. Não lhe ligo pevas.

ex ana disse...

Tenho uma página muito recente no facebook. Partilho quase integralmente dos comentários acima. Curiosamente muitos dos meus amigos também possuem a mesma opiniam (uns experimentaram outros nem sequer tentaram)
É caso para escrever...bem vindo ao clube!E sim o problema maior é a tónica do apressadinho...não dá.
(bem, exceptuando as urgências mas disso o especialista és tu!)

Ana C. disse...

Gosto Disto :)

Melissinha disse...

Sou oversharer, adoro o bu.

Naná disse...

Miguel, sou utilizadora habitual do FB e apenas porque me facilitou o contacto com tantas pessoas a quem tinha perdido o rasto, colegas de faculdade, amigos que mudaram de terra e assim consigo ir estando a par do que com eles se passa. E inclusivamente descobrir que ainda há tanto que nos liga, nos une, que ainda temos em comum, mesmo distantes geograficamente e por muito tempo.
Mas sim, há dias que aquilo é uma seca...

Anónimo disse...

pois eu acho os blogs mais entendiantes k o facebook..farto-me de ler blogs k n conhecia ( como hoje o teu por ex) todos os dias e n há maneira de encontrar algum k n seja um vomitar de vaidades ..
parece-me k inteligencia n está associada a blogs e mto menos a palavrinhas ricas.. kem nos dera a nós k as pessoas fossem o k escrevem lolol

Eugénio disse...

O facebook serve para fazer festinhas ao ego, mostrando aos outros que temos uma vida sensacional (que não temos na realidade, mas adoraríamos ter)

Tenho para mim que o facebook foi a melhor coisa que poderia ter acontecido à blogosfera... fez a triagem há muito necessária

Anónimo disse...

Descobri agora o teu blog e gostei do texto, em parte é o que penso mas nunca tive coragem de dizer.

da tua nova leitora.

Juliana*