domingo, 18 de abril de 2010

O que sabemos quando temos 20 anos?*

Em conversa com uns das minhas alunas descubro que a Enfermagem foi uma das opções num leque que também incluía a Arquitetura. Ou seja, como ela própria admitiu, havia uma vasta área de interesses e calhou Enfermagem! O que me desespera é como miúdos de 20 anos se enfiam num curso que está entupidíssimo, onde não há emprego para todos, onde as privadas dominam e que não tem futuro como carreira! Que me desculpem os meus colegas mas temo que a Enfermagem venha a tornar-se cada vez mais aquilo que era nos anos 50 (meros aplicadores de técnicas sem autonomia) do que aquele futuro brilhante e independente que nos pintam no curso. A diferença está no facto de que hoje nos obrigam a estudar durante 4 anos.
Visões fatalistas à parte, o certo é que esta aluna de quem vos falo tem a noção exacta da situação dos enfermeiros em Portugal e, mesmo assim, insiste em completar o curso. Calculo que sinta o mesmo que senti quando iniciei o meu próprio curso: "Quando chegar a minha vez as coisas estarão melhores e eu farei tudo para que isso aconteça!". Optimismo ou ingenuidade? Decidam vocês. Eu, no que me diz respeito se soubesse o que sei hoje (céus, como detesto esta expressão!) teria escolhido outra vida, outro emprego, outra área de trabalho. Mas, enfim, a vida empurra-nos e pressiona e somos forçados a tomar decisões importantes demasiado cedo! Afinal, o que sabemos da vida aos vinte anos? Dos nossos interesses profissionais, daquilo em que gostaríamos de trabalhar o resto da vida? Nada. Eu, pelo menos, não sabia!
E hoje? Hoje não desgosto do meu trabalho mas consigo imaginar-me a fazer outras coisas... No futuro pretendo dar aos meus filhos as ferramentas que lhes permitam escolher com a maior consciência possível das sua opção: tempo e uma visão o mais global possível daquilo que é o mundo no seu tempo. Se eu posso mudar de vida? Posso. E mais cedo do que muitos imaginam.
*Ou, "A minha desilusão com a Enfermagem."

12 comentários:

Anónimo disse...

O pior é que aos 20 cais de repente nas escolhas que fizeste aos 14-15!
Ainda bem que podes mudar de vida; força aí com isso!

Miguel disse...

Toda a gente pode mudar de vida! Não digo radicalmente mas algumas mudanças podem sempre ser feitas. O que falta muitas vezes é coragem...

Branca de Neve disse...

O que sabemos quando temos 20 e poucos anos? Quase nada.
No meu caso, enfermagem foi a minha primeira opção e, sinceramente, estou a gostar, excluindo uma péssima orientadora de estágio que me calhou da última vez.
Eu, confesso, tenho uma perspectiva um pouco diferente. Ora, se estamos num mundo cada vez mais globalizado, e a reforma de Bolonha permite isso mesmo, não vejo qual o problema, e provavelmente essa é uma possibilidade cada vez maior, em ir trabalhar para outro país. Mas claro, nem toda a gente pensa assim. Agora, se realmente uma pessoa gosta do curso e sempre quis isso (não é o meu caso, mas conheço) vai desistir daquilo que sempre quis porque não tem saída profissional?

margarida disse...

Vamos a isso!
Cá estou para assistir à mudança e me alegrar com ela. Sei quanto se anseia uma mudança e quão boa pode ser!
Beijinhos **

Superman;) disse...

Dá para mudar de vida aos 20 ou aos 30... desde que haja vontade e mente aberta para isso... independentemente das escolhas feitas aos 14 e 15... Eu aos 15 não pensava ser enfermeiro, aos 24 sou... mas não sei se aos 35 serei. e isso é que é interessante na vida...

Ana disse...

Olá Miguel..
Sou leitora do teu blog há algum tempo, embora no anonimato :)
(ultimamente tem-me dado para isto..passar de leitora anónima a comentadora.. :) )
Somos tb colegas de profissão e, pelos vistos, tb de serviço.

Tantas vezes já tenho dito o que hoje escreves neste post..
Aos 20 anos somos uma cambada de inocentes, n fazemos ideia do que é a vida e de como as escolhas que fazemos nessas alturas nos podem condicionar tanto.

Partilho da tua opinião. Adoro muitas coisas da enfermagem em geral e da urgência em particular. Mas vamos num caminho neste momento que temo que percamos tudo o que conseguimos conquistar até hoje.
Não estou optimista.
E tb me consigo imaginar a fazer outras coisas..
Acho que muitas vezes não é falta de coragem para mudar. As circunstâncias da vida é que são tão limitadoras que conferem um peso brutal à ideia de mudança.

Mas não é impossível, claro. De todo.

Gostava de ter esperança, de ver um futuro mais animador, mas tenho tido alguma dificuldade em consegui-lo..
Um grande beijinho!

sara disse...

discuso mto radicalista, Miguel...

Enfermagem nao e assim tao ma... ha profissoes bem piores...

nao ha emprego? pois, parece q hoje em dia isso acontece c quase todas as profissoes...

é preciso gostar do q se faz...caso contrario, o mundo/realidade e pintada de cinzento...e nao pode ser...

é precsio presistir, e nao cair logo nessa ideia tao pessima de enfermagem... na minha opiniao, claro...e respeito a tua :)

nao me arrependo da minha escolha: enfermagem..


.

Miguel Vicente disse...

Boas. Mudar de vida...
Ok. Sou estudante de Enfermagem, e estou no 1º ano.
Contudo sou licenciado em Ciências da Comunicação onde já exerci e estou a fazer (ao mesmo tempo :/) um 3º ciclo de Bolonha em Espanha.
Sempre quis Comunicação, sempre quis Enfermagem e sempre quis Educação Intercultural. Mudei de vida!? Talvez. Trabalho nos Verões para pagar os meus estudos. É a minha visão de "o copo meio cheio" nesta conjuntura de crise. Só vivemos uma vez, até para trabalharmos e estudarmos no que queremos.
Enfermagem está difícil?! Está. Vou trabalhar o dobro e hei-de conseguir. Se com 20 não sabia o que queria?! Não sei se sabia. Com 22 actualmente sei?! Quero crer que sim. Se gosto do que estudo!? Venero as três áreas e tenho imenso prazer em estudá-las e (espero) trabalhá-las. Não creio que seja mudar de vida. É apenas não ficarmos parados e seguirmos, a lutar.
Tenho colegas com 18 anos que não sabem realmente o que querem - dito pelos próprios. Chamam-me maluco por estar a fazer outra licenciatura e o que quero. Sei que chegam ao Ensino Superior demasiado "verdes" e a nossa matéria prima são pessoas.

Parabéns ao seu blog. Deveras que gosto e sigo-o. Obrigado por escrever. Talvez vá deixando algumas pegadas sobre o meu percurso na blogoesfera.

E vou trabalhar por uma Enfermagem melhor.

Forte abraço.

Pedro disse...

moços e moças dos trinta anitos, vocês sabem alguma coisa da vida?

tenho cinquenta e sete anos.

Andre Bressan disse...

A coisa aí me parece sempre com as de cá. Mesma montanha de trabalho, mesmo soldo mirrado.

Mas, quem vai apagar o sonho de alguém de vinte? Um velho de trinta?

Um abraço, Miguel, por mais melancólico que esteja, você é um alívio.

Um abraço.

Tixita disse...

Ola! sou uma jovem de 22 anos quase a terminar a licenciatura em Enfermagem. Confesso que, ultimamente, começo a ficar receosa relativamente a conseguir desempenhar a minha futura profissão no meu PAIS. Pois sabemos que em Portugal a falta de Enfermeiros nos serviços de saúde é enorme, segundo o sindicato rondam os 5000 enfermeiros em falta para a prestação de cuidados. Isto para dizer que é-nos ensinado na escola que é nosso dever prestar cuidados de Enfermagem de qualidade, mas quando confrontada com a realidade de cada serviço por vezes é muito complicado: é o elevado numero de doentes que cada enf tem atribuido durante o turno e isto tudo devido a interesses - vá lá - gestão administrativa onde o que realmente conta é cortar nos custos e não ter prejuízo, mas esquecem-se que o mais importante é o doente.
Perspectiva de futuro, muito possivelmente ESTRANGEIRO, com grande pena minha; pois quando ingressei no curso foi para aplicar o que aprendi cá e não lá fora. mas que outra solução tenho?
Se voltava a colocar Enfermagem como 1.ª opção ao saber que sei hoje, possivelmente que não! Mas tb não m arrenpendo e gosto muito da nossa profissão.

Bluebluesky disse...

Eu sou Fisioterapeuta e partilho da mesma opinião e "angústia" que tu... e quantas vezes a vontade de mudar de vida não anda aqui a rondar devagarinho...