domingo, 10 de outubro de 2010

A Minha Terra é Onde Me Sinto Bem.

Estivemos dois dias na "terra". Mas o que é a "terra"? Não sei. Para muitos a "terra" é o sítio onde nasceram, onde os pais nasceram. É um sítio com o qual têm uma ligação emocional muito forte seja pelas tradições, pela família, pelas Festas de Verão, pelas vindimas, pela matança do porco, pela apanha da fruta, pela paisagem, pelos cheiros, pela comida. Eu vim da "terra" com 18 anos. Tendo 31, a maior parte da minha vida ainda está ligada à "terra". Mas não a mais importante.
No Sábado pela manhã fui correr. Estradas e caminhos velhos conhecidos, percorridos principalmente na altura em que jogava futebol (juvenil) na equipa da terra e ia na carrinha dos clube buscar e levar os atletas dos pontos mais distantes da aldeia e até das aldeias vizinhas. Os velhos caminhos, o fresco do orvalho da manhã, o verde de perder de vista e os montes, uns atrás dos outros, as aldeias sempre diferentes mas todas iguais. E na verdade senti-me estranho a tudo aquilo. Nasci ali, cresci ali mas não me sinto dali. Como as gentes que me olhavam como um olhar ao mesmo tempo curioso e estranho. Talvez fosse do azul-choque dos ténis, do verde florescente da camisola, tão contrastantes com o verde escuro da paisagem, do castanho da terra, tudo ainda mais escurecido pelo tempo chuvoso e cinzento.
Hoje, ao regressar a casa senti uma estranha emoção de acolhimento ao entrar em Lisboa. Senti-me mesmo em casa, por estranho que pareça, no meio dos carros, do rebuliço, o Aeroporto, Campo Grande, O Zoo, Monsanto, a Ponte 25 de Abril. Já aqui tinha escrito, algures, que Lisboa tem uma luz especial, mais brilhante que em qualquer outro sítio que eu conheça e sinto que, por muito que vá partir, que queira partir, Lisboa acolher-me-á sempre bem!
Mas o certo é que vou partir, outra vez. E estou entusiasmado, excitado, apressado, angustiado pelo arrastar do tempo. Para um novo país, uma nova língua, um novo clima. Mal posso esperar. Raízes? Sim, ténuamente na "terra", muitas em Lisboa, bastantes em Portugal. Mas não as suficientes para me impedirem de partir. Um primo, nascido e criado em Paris, dizia-me que por muito mundo que conhecesse gostaria de passar os seus últimos dias precisamente em Paris. Eu, no que me toca, gostava de passar os meus últimos dias numa qualquer ilha paradisíaca, no meio de palmeiras e cocktails! Ou em Paris, ou em Nova Iorque, ou em Lisboa, ou num resort de luxo no Allgarve! Velho, enrugado, chato mas cheio de estilo!

6 comentários:

Naná disse...

Ai... Miguel, um post tão lindo para acabar assim?? A minha terra é Algarve, tá?!
E sim, nós "algarvéus" consideramos toda a região como a "nossa terra"...

a Gaja disse...

A nossa terra é aquela onde nos sentimos bem, independentemente se é onde crescemos ou não.

Miguel disse...

@Náná: eu acho que o Algarve pode ser um óptimo local para passar a minha velhice! A sério!

Salmantina disse...

Nasci em Lisboa,cresci e vi nascer os meus filhos em Almada,fui para Coimbra com 36 anos,estou ha 4 anos em Espanha,Qual destas eu considero a minha "terra"?? Escolha dificil!:)

Saludos a toda a familia

SAL

Superman;) disse...

Eu não sei qual é a tua terra, mas a experiência é similar à da minha. Nasci no Porto, cresci em Resende, estudei em COimbra e agora trabalho por Lisboa... É engraçado, mas cmo tu, espero não parar por aqui... E até agora considero todas "a minha terra":p...

Precis Almana disse...

Sempre que se fala em raízes, lembro-me desta citação com a qual concordo 150% (ou mais)

"As raízes enfiam-se na terra, contorcem-se na lama, crescem nas trevas; mantêm a árvore cativa desde o seu nascimento e alimentam-na graças a uma chantagem: «Se te libertas morres!». As árvores têm de se resignar, precisam das suas raízes; os homens não. [Amin Maalouf, Origens]