sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

O Silêncio...

Hoje está difícil...
Já não bastava a (pouca) vontade de vir trabalhar, explicada por um post mais abaixo, hoje calhou-me ficar a substituir o Enfº Chefe e a secratária....
Surpreende-me principalmente a necessidade paternalista dos funcionários, enfermeiros, médicos e auxiliares. Toda a gente tem uma necessidade urgente que precisa de ver resolvida para poder desempenhar o seu papel. Ou não...
Chagam-me a cabeça com tudo, literalmente tudo. Uma colega enfª chama-me porque a cama não funciona. Bastava levantar o cú da cadeira e olhar para a dita cama para se aperceber que os comandos do controlo remoto estavam "trancados" na consola central. Porque é que eu sei isso? Ora, porque eu, aliás como ela, trabalho com aquela cama todos os dias.
O médico pergunta-me a que horas a minha colega da noite colheu o sangue de um dos doente... helloooo, eu não estava cá, que tal pegar na porcaria do processo e ler o que lá está escrito?!!? (será que eles ficam só com 30% dos neurónios depois de tantos anos a marrar nos livros???).
As auxiliares, bem essas passam o tempo a fazer queixinhas umas das outras de modo que assim que avisto uma na minha direcção passo logo para "stand-by mode" e evito escutar o que me dizem.
Isto desgasta-me. Pelo tempo e energia que perco a ser interrompido a meio de situações onde preciso de estar concentrado, pelos km a mais que faço nos corredores do serviço, pelas vezes que preciso de repetir uma mesma indicação, porque me chateio e porque não sou capaz de ter uma atitude de indiferença face a um problema que me colocam, porque levo a sério a responsabilidade que me atribuem e porque sou estúpido e não consigo sentir-me bem comigo mesmo se não fizer as coisas bem feitas. Mas, acima disto tudo, entristece-me que as pessoas estejam sempre a embrenhar-se em jogos de intrigas e alianças, em tentar ganhar posição superior aos outros, a determinarem as suas acções tendo por base o seu umbigo...
Rai's parta quem um dia me disse: "Quer quer faz, quem não quer manda!"
E agora... o silêncio. Foi tudo almoçar, os médicos já se baldaram, já não há delegados de informação médica (raça asquerosa, doninhas..) atrás de mim porque querem acesso aos médicos, os telefones estão calados e eu estou aqui a escrever mas sinto que estas palavras não disseram o que eu queria...
Esta é a melhor hora do meu dia de trabalho.

2 comentários:

margarida disse...

Por vezes as pessoas querem-nos testar: até onde é que ele aguenta?! Ou querem mostrar serviço e interesse, ou não ligam nenhuma ao trabalho e se houver alguém a fazer as suas competências melhor. Ou só querem ter a certeza que está certo, como crianças inseguras.
Alguém também disse: "Mandar não é fácil"

Ainda bem que teve direito ao silêncio.

banita disse...

Já vi que hoje não foi um dia fácil... que tal dar uma volta depois do trabalho para libertar a tensão acumulada? Se não for uma volta real, porque não uma volta pelo mundo virtual da blogoesfera onde há sempre qualquer coisa para ler que nos faz rir e nos tira desse estado de "stress em pré-ebulição"?
Hoje também tive os meus picos de stress e cá estou eu a relaxar. :)