quarta-feira, 18 de novembro de 2009

A Verdadeira Felicidade.

Quando a Mariana engravidou pela primeira vez confesso que não compreendia bem as emoções que surgiam, dia após dia, à medida que a barriga aumentava. Estava feliz, isso era certo, afinal tinha sido uma gravidez planeada de um filho desejado! Mas acompanhava-me um certo sentimento de que talvez, talvez devesse estar mais empolgado, mais ansioso, mais... feliz.
Um momento marcante nessa minha "evolução emocional" foi a primeira ecografia! Foi o momento em que eu senti que ia ser pai! A batida rápida do coração do Gabriel invadiu o meu lado mais íntimo e quase que juro que, por momentos, o meu coração bateu ao compasso do dele! A partir daí, as minhas emoções passaram a ter um objecto, um alvo. Mas, mesmo assim, continuava a pensar que a amplitude da minha felicidade não era suficiente. O tempo passava lento mas calmo. A gravidez foi calma, a Mariana não teve grandes queixas. Nem vómitos, nem dores, nem perdas de sangue. O crescimento do Gabriel foi normal, as análises sempre bem. Ansiava pela próxima ecografia e sentia que amava já aquele bebé minúsculo, ampliado pelo aparelho e que só conhecia de perfil e a preto e branco!
As últimas semanas foram de ansiedade! Não via a hora de conhecer o meu primeiro filho, a ponto de os meus colegas comentarem que eu próprio estava "grávido"! Até que.... Fomos à consulta das 39 semanas e a Mariana regressou a casa já com uma sensação de desconforto no baixo ventre. Almoçámos e saí para o trabalho. Entrava às 16 e o telefone tocou ás 15:30: "A bolsa rebentou!". E ás 21:51 do dia 04 de Abril de 2007 percebi que não estava errado. Nada daquilo que senti durante os nove meses de gestação me tinha preparado para aquele momento, o momento em que o Gabriel nasceu e chorou! Ainda hoje não encontro palavras para descrever esse momento. Mudo, as lágrimas corriam livres pela face enquanto abraçava mãe e filho. O meu filho, o meu Gabriel. E soube, finalmente, o que é a Felicidade. Posso hoje dizer que foi o momento mais sublime da minha vida.
Por isso, estou muito mais empolgado nesta "2ª volta"! Porque hoje sei o que me espera, conheço a evolução das coisas e sei o significado de "Amor". Não posso esperar pela 1ª ecografia, pela barriga crescida, pelos movimentos e pontapés, pelo evoluir da relação do Gabriel com o irmão/irmã, pelas suas dúvidas e questões, por aconchegar o bebé nos meus braços, no seio da nossa família, por adormecer com ele no meu peito. E envolver o Gabriel em todo este processo. Não peço muito, apenas que o tempo corra rápido, sem sobressaltos! Ah!... e que seja uma menina!
PS: obrigado a todos pelas palavras de carinho dadas no post anterior!
PS2: só tu Ana C... só tu!

13 comentários:

Ana C. disse...

Só eu para fazer sair o homem sensível e amaricado que há em ti? :)
Agora a sério. Penso que a coisa se divide em dois. Antes do nascimento e depois. O amor que sentes quando vês o teu filho pela primeira vez é incomparávelmente mais forte do que qualquer ecografia. E vai sempre crescendo, cada dia que passa parece que os amammos mais e mais e mais...
É sem dúvida o amor por excelência.
Mais uma vez muitos parabéns!

S* disse...

Vai ser ainda melhor Miguel, tenho a certeza. :D Lindos momentos.

Lebasiana disse...

que corra tudo tão bem ou melhor do que da outra vez!

jinhos

Laidita disse...

Muitos parabéns aos papás. Gostei muito deste post cheio de emoção. Geralmente mais comuns nas mamãs, surpreendem-me pela positiva quando vêm de papás.

Nuvem disse...

Olá
Adorei o teu post, mas adoro a tua ecsrita.
Como sabes espero a minha primeira filha, e devo assumir que só quando fiz a primeira ecografia, vi o bater do coração é que senti mesmo tudo o que significava, o amor profundo que tenho por esta pequenina "feijoca".
Mas o papá, que até já tinha dois meninos, ficou ainda mais emocionado do que eu... ele adora cada momento, não perde uma consulta, uma ecografia, está sempre a querer ouvir o coração... é um amor profundo e perfeito.
Muitos parabéns pela nova gravidez, que a aproveites ao máximo, que tudo corra tão bem como com o Gabriel e ... que seja a menina :)
beijinhos

TIA COMPLICAÇÕES disse...

Muitos parabéns e que tudo corra bem... o seu desejo para que o tempo corra rápido... realizar-se-á não é preciso pedir.
Dizia a minha avó as crianças nasciam e cresciam com o “TOMARA”, ao principio eu não percebia o que ela queria dizer com o tomara......pois é, tomara que....... a barriga cresça, tomara que......... nasça, tomara que....... coma a primeira papa, tomara que....... nasça o primeiro dente.......e por ai diante. Hoje digo tomara que......termine o curso, esse tomara......... está a levar mais tempo....há que ter paciência.
Felicidades

Fernas disse...

que lindo! O amor por um filho deve ser a coisa mais linda do mundo!

costela de adão disse...

Gostei muito deste post, emocionei-me. O Amor dos pais para os seus filhos, quando demonstrado desta maneira é muito bonito e tocante. Que corra tudo bem.

Ana. disse...

Tu quando queres, escreves com o coração!

Os teus filhos têm sorte por te terem!

;)

a Gaja disse...

Parabens :D

Anónimo disse...

És uma pessoa muito bonita!
Felizes dos que te rodeiam! E que sorte a minha ter descoberto este cantinho...
Obrigado!

A Silva

fiel leitora disse...

Raro vêr um homem escrever assim sobre a "sua gravidez".
Parabéns Miguel, pelo novo filhote e por este magnífico texto!

c disse...

Olá Miguel,
leio-te de vez em quando e hoje, com um post tão emocionado, tenho que comentar.
Muitos parabéns, desejo que corra tudo muito bem, tal como da primeira vez.
Comigo foi um pouco ao contrário. Na segunda gravidez foi tudo mais calmo, e até ele nascer tinha um pouco a sensação de "já ter visto tudo". Ainda por cima com o facto de ser um segundo rapaz.
Mais surpreendida fiquei pela emoção avassaladora de ter outra vez um bebé recém-nasacido nos braços.
Se tivesse um terceiro filho, não quereria saber antes se é menino ou menina. Porque agora já sei que no momento em que eles nascem e somos projectados para aquele mundo paralelo em que não existe mais nada, só nós numa bolha de amor, e finalmente percebemos o que andamos aqui a fazer, afinal... ser menino ou menina deixa de ter a menor importância.
P.S. Caso seja um rapaz, voltarei para te falar das vantagens de ter dois filhos varões. ;)