terça-feira, 8 de junho de 2010

Motivos Motivacionais ou Não esperem grandes rasgos fashionistas desta casa.

A reboque deste texto, dei por mim a reflectir no tamanho do meu próprio roupeiro (ou guarda- roupa, ou ainda guarda-fatos como dizem os nortenhos!) e, oh surpresa!, constato que na verdade é apenas meio-roupeiro! Toda a minha roupa cabe em meio roupeiro e é facilmente quantificável: meia-dúzia (se tanto!) de jeans, um pouco mais de meia-dúzia de t-shirts informais e coloridas, algumas camisolas de malha leve, dois casacos de inverno e um de meia-estação, duas camisas que uso quando o Papa vem a Portugal, duas ou três calças "desportivas" (fato-de-treino vá.) e dois casacos de desporto (daqueles giros com capuz!), alguns calções "bolsos de lado" para o verão, duas gavetas com muita roupa interior, dois ou três sapatos (botas!) de inverno, ténis, uns sapatos pretos formais (curiosidade: que usei no meu casamento) qie calcei umas... 3 vezes!, um fato completo (serve para casamentos e funerais!). That's all folks!! Portanto, quem me conhece está habituado a ver-me repetir outfits muitas vezes e sempre no mesmo padrão: ténis-jeans-t-shirt/camisola de malha - casaco OU chinelo havaiano de meter-o-dedo - calção até ao joelho - t-shirt.
O meu trabalho impõe um dress-code muito restrito: calça branca-camisa/túnica/bata branca. Como tenho dois empregos passo muitos dias inteiros dentro do hospital pelo que aquilo é mais uma segunda pele do que uma farda de trabalho. O que leva a que a minha roupa-roupa (é assim que designo a roupa normal!) sirva apenas um propósito, o de esconder as minhas partes pudendas do público em geral! De que me serve ter muita roupa se depois não a posso usar ou se a uso em períodos de tempo muito restritos e que, ainda por cima!, são passados dentro do carro? Esta realidade moldou então a minha forma de comprar roupa. Vejamos, o primeiro requisito da peça de roupa a comprar deve ser... prática! Depois, polivalente para poder enquadrar-se com o resto do restrito grupo de roupas do Miguel e, por fim, barata porque para servir para vestir cerca de duas horas por dia e andar amarrotada nos assentos do carro não pode ser nada de muito caro! E a coisa faz-se. No dia-a-dia lá vai andando a farpela do costume, o pior chega quando acontece uma ocasião onde se exige uma indumentária mais... elaborada! E estou a pensar naquelas 2 vezes ao ano em que saio à noite.
Na última vez que saí à noite andei à procura de um outfit diferente. E corri, corri, corri lojas e centros comerciais à procura do ideal. E vi coisas giras, experimentei coisas engraçadas mas, caramba!, custavam os olhos da cara!!! Como sou um gajo assim pró larguinho de costas, a roupa mais clássica da Zara (sim, Zara que ainda vai sendo acessível!) não me entra já que é feita para metrossexuais anorécticos e não para Homens-como-deve-ser, na H&M a mesma merda pelo que acabei por desistir ao fim de umas longas duas horas de procura (duas horas é suficiente, certo?). E voltei à minha formatação original: prático/polivalente/barato. E adivinhem lá o que o menino acabou por comprar? Apenas e só uma camisola de malha leve (mas é de lã merino, que devem ser uma ovelhas chiques. E lá foi ele com os jeans menos gastos que tinha no roupeiro, uns sapatos pretos (assim pró desportivo!) que comprou em saldo na Bata, a dita camisolinha e um casaco preto que um amigo emprestou (deprimente esta parte...).
Não é que eu não goste de me vestir bem, que gosto. Não é que não seja vaidoso, que sou. Não é que não fique super distintamente giro num fato clássico, que fico. É apenas uma questão de falta de motivação. E de t€€mpo.

7 comentários:

Elisabete Martins disse...

Bem, não há hipótese. O menino nasceu para humorista, não há a mínima dúvida! LOOOOOOOOOOOOOOOOOL.
Eu então sou a pessoa mais parola que existe. Agora, se não é preto, preto é.Linda cor? É o que se arranja.
Tenho uma colega que demora duas horas(!!!!!!!!!!!) a arranjar-se. Ok. Não tem filhos.
Mais um post de morrer!

Anónimo disse...

Pá, falta de tEEmpo é lixado!
:D

P.S.:
O meu teclado tb é teso!

Superman;) disse...

Impecável:p... Eu tenho um nome para este estilo, que também é o meu:p... "Cuidadosamente Desarranjado":p... É barato e até pode estar amarrotado mas se olharmos ao pormenor, faz todo o sentido:p...

I. disse...

Ah, se eu não precisasse de roupinha pipi para todos os dias... o dinheiro e espaço que poupava. A farda é uma coisinha chata, mas acaba por ser uma libertação.
Mas seja de fim de semana ou se semana, também opto por roupa prática. Sapatinho confortável, sempre! E não faço ideia do que vestiria se tivesse uma festa à noite, uma coisa mais féchion ou chique.

Ana C. disse...

Tu usas túnica no trabalho? Qual é o teu segundo trabalho miguel? És cartomante?

Naná disse...

Como te entendo... eu que sempre me considerei altamente feminina, quando vim parar ao mundo das obras dei por mim nas lojas a namorar roupa (saias principalmente... e sapatos de salto alto) para depois concluir: mas vou comprar para usar quando??? É que ir de saias e de sapatos de salto alto para obra seria um certo corropio... por isso a minha colecção de saias e de sapatos diminuiu consideravelmente em 5 anos... Por isso também me acontece quando tenho que ir a algum lado mais pipi, não há nada de jeito pra vestir ou melhor, há, mas está mais demodé que sei lá...

Tia Complicações disse...

Os tamanhos standard das lojas mais fashon são uma chatice. Tive que emagrecer para me conseguir meter dentro das roupas da Zara e da Mango …aíiii vaidade a quanto me obrigaste. Mas valeu o sacrifico de um 46 passei para um 42. Depois mudei radicalmente o estilo de vestir, do clássico passei para o estilo pistoleira (é assim que designo)