quarta-feira, 13 de maio de 2009

Mentezinhas Irritantes

Tenho lido com alguma frequência algumas críticas negativas ao projecto "Amália Hoje". Trata-se da revisitação da obra de Amália Rodrigues e o nome do projecto não podia ser mais honesto. É engraçado porque, em conversa com a Mariana acerca deste novo projecto musical, concordávamos que iriam surgir vozes ofendidas com a profanação da obra da diva. Estávamos certos.
Os fundamentalismos dão-me sono. A sério! Resultam de uma falta de inteligência tremenda, de uma completa ausência de sentido de humor, de uma mente atrofiada. E como me irrita a frase "Há assuntos com os quais não se pode brincar." E a palavra-chave aqui é "Brincar". Reparem que não é humilhar, agredir ou ofender. Qual é o problema de 4 jovens músicos portugueses interpretarem a música de Amália à luz das suas experiências? Nenhum, considerando que demonstraram grande respeito pela mesma. E reparem que falamos de pessoas com algum sucesso na sua áreas (The Gift, Moonspell e Paulo Praça) que, com certeza não se meteram nisto pelo lucro. Este é mais um tributo a Amália. A diferença é que este tributo vem de pessoas cujas áreas de actuação tem pouco a ver com a música de Amália, e não dos habituais dinossauros que dela foram contemporâneos. E isso só valoriza esse tributo.
Depois reúne um grupo de artistas que canta normalmente em inglês, que se colocam a cantar em português. Numa altura em que a qualidade do português falado, escrito e cantado não é a melhor, traz novamente à luz o "belo português". Pergunto-me como Amália, ela própria, se tivesse nascido na década de 70, cantaria hoje as suas próprias canções? Considerando que as letras são intemporais, qual seria a forma como ela as cantaria. Que tipo de artista seria ela. Figura controversa como foi no seu tempo, certamente o seria no nosso, acredito que as novas roupagens que deram aos seus velhos clássicos lhe agradariam. Ou talvez até ela fosse um pouco mais radical na abordagem dos temas. Agora, considerar a obra de Amália como o Santo Graal da cultura portuguesa, que não pode ser profanado? Tenham juízinho, sim. Obrigado

9 comentários:

Ana. disse...

Eu cá acho que é um projecto lindíssimo, que ajuda a relembrar a obra de Amália, de quem confesso não ser grande fã, mas de uma maneira actual, que pode ser entendida pelos mais novos, os que escaparam ao "fenómeno" Amélia.
E sim, acho que se devem fazer estas versões, porque a música também é evolução e as grandes músicas do passado não precisam necessariamente de lá ficar "enterradas".

De resto é o costume, neste país pequeniiiino, pequenino há sempre que fale, quanto mais não seja para dar nas vistas!

;)

Ana C. disse...

Quem é que não gostou do Variações nas vozes dos cantores de hoje?
Eu acho um tremendo trbuto à Amália sim e ainda nem ouvi o disco completo.
A ideia é mágica.
Nada a ver com a ideia de transformar os livros da Jane Austen em histórias de Zoombies...

L. disse...

Admito que no inicio não gostei da música. Confesso que ainda não ouvi o cd, a que tenho em mente é a que passa na rádio "Gaivota".

Redimo-me... gosto da sonoridade da música na voz da Sónia. Só depois de ouvir o projecto todo poderei tecer mais comentários. :$

Miguel disse...

L., podemos não gostar da música, aceito isso. O que não é aceitável é a crítica destrutiva porque se está a "profanar" algo "sagrado".

Sílvia disse...

Sou muito sincera a primeira vez que ouvi não me predeu, mas depois foi aquele tipo de coisa que primeiro estranha-se e depois entranha-se. Acho que está muito bom... Diferente como é óbvio e penso que isso é uma mais valia...

Eu gosto =)

bjo****

Mna. Margarida disse...

Eu adoro o Projecto! Já comprei o CD, o que para mim hoje em dia é uma loucura, mas vale mesmo a pena!... Essas críticas é só porque são portuguêses!...

Se fossem uns estrangeiros quaisquer a fazer o mesmo já era uma coisa óptima e chegava ao top logo na semana a seguir ao lançamento!... Mas estamos em Portugal... O que é estrangeiro é qu eé bom!... Enfim!...

up_north disse...

Considero-me um enorme fan da inesquecível Amália Rodrigues. Por outro lado, confesso, tendo a olhar para tentativas de 'modernizar' o Fado com grande cepticismo. Por isso mesmo fiquei um tanto ou quanto apreensivo quando, á poucos dias, descobri o projecto 'Amália Hoje'.

Ainda não as ouvi todas mas posso dizer que gosto imenso, principalmente dos temas Gaivota, Foi Deus e Formiga Bossa Nova. Está extremamente bem conseguido com arranjos excelentes e o não menos impressionante contributo que é a voz e presença da Sónia Tavares.

Fiquei fan e até escrevi sobre o projecto no meu blogue. Tenho vindo também a passar palavra sobre esta excelente iniciativa. Que assim continue!

Tasha disse...

Adoro a nova Amália e a velha Amália. Acho que o que fizeram á música dela foi extraordinário e já tenho o CD. Chegou hoje por correio aqui ao UK, pois tive que o mandar vir de Portugal.
5 estrelas!!! Muito bom. A própria Amália havia de gostar.

Bypassone disse...

Miguel, quem tece críticas dessas, certamente já se esqueceu de temas "tradicional/pop/pimba" que a própria Amália cantou já em final de carreira, como seria p. ex. "o senhor extraterrestre". Coisas dessas, quanto a mim, são a verdadeira afronta a uma carreira como a da Amália, e visto que ela própria não se importava de as cantar.... qual é o problema com estas versões, agora?