segunda-feira, 11 de maio de 2009

Monstruoso!!

Nada como fazer coisas diferentes (e divertidas!) para afastar o mau karma.
Ontem fui andar de mota!!! Para que conste, não sou motard! Sou mais um motoqueiro (e existe uma diferença entre estas duas expressões, experimentem chamar "motoqueiro" a algum vosso conhecido aficionado das motos e percebem logo a diferença!!!) que gosta de dar umas voltinhas nas duas rodas! Despertei já tarde para este mundo. Foi durante o curso que um amigo e colega de quarto me cativou para estes "bichos" que sempre me impuseram (ainda impõem) muito respeitinho! A vontade de aprender a "domina-los" foi crescendo até que decidi tirar a carta de mota. Tinha 28 anos!
Quer isto dizer que a minha experiência de condução de moto é pouco mais que... zero!!! Como não tenho mota, conduzo esporadicamente. Durante a semana passada um amigo convidou-me para ir experimentar uma mota num novo stand. Claro que fiquei em pulgas. Quando me perguntou se tinha equipamento (capacete, luvas, casaco) fiquei apreensivo. Afinal, o teste consistia numa voltinha em grupo, já que havia cerca de 15 motas para experimentar. Estava ansioso porque sabia que tinha de ir para a estrada e, além de ter pouca experiência, não conheço a zona do passeio. Por outro lado sabia que iria "rolar" a muito menos velocidade que o resto do grupo, todos verdadeiros "motards"!!!
Ao chegar ao local do stand, depois da inscrição e da parte burocrática, deram-me as chaves para este bichinho...


Ora... o nome é sugestivo: Ducati MONSTER!! Tudo bem que era a moto mais fraca de todas, mas sempre são 696 cc com 80 cv a puxar cerca de 160 kg de moto + condutor!!! O grupo arranca e eu inicio a minha demonstração de domínio do homem sobre a máquina com uma valente aceleração em ponto morto (uma das funções do capacete é ocultar a identidade do maçarico!!!) logo seguida por uma travagem brusca que me ia fazendo saltar do assento (estava só a testar o sistema de travagem...). Quando finalmente saí da zona industrial onde se encontra o stand já tinha perdido de vista o resto do grupo, isto apesar de estar a circular à velocidade considerável de... 60 km/h!!! Rotunda, rotunda, mais uma rotunda e lá continuava o Miguel a circular calmamente, apesar do "bicho" estar a pedir mais e mais. O raio da moto é mesmo nervosa. Nervoso devia estar também o instrutor do stand que ia em último no grupo (havia um no início e outro no fim) que ia a marcar passo atrás de mim!!!
Finalmente, estrada!!! Entrámos na IC19 e, com a estrada toda para mim, lá fiz a vontade ao animal que montava e mandei-me (cautelosamente) para os 130 km/h. Sol de pouca dura... ao fim de poucos quilómetros o trânsito estava parado. Logo agora que estava lançado... o intrutor ultrapassa-me e segue pela faixa de segurança. Sigo-o e, qual é o meu espanto quando vejo uma das nossa motos no chão e um dos convivas sentado junto ao muro central. "Grande merda!!", parei e fui ver o rapaz. Fractura da clavícula (evidente até para quem não percebe nada disso) e cheirou-me a luxação do ombro. Liga-se ao 112 e voltamos a arrancar.
O resto do passeio correu bem. Com o passar do tempo adaptei-me à mota e até fui arriscando mais um bocadinho!! Claro que sempre bastante mais lentamente que o resto do grupo, mas no fim, foi um "experimentado" das motos que anda todos os dias sobre duas rodas que se estampou contra o muro central do IC19, enquanto aqui o "maçarro" chegou são e salvo ao ponto de partida!!! Estava contente e com vontade de andar na mota a tarde toda mas só me apercebi da adrenalina que bombava quando a minha mão tremia ao preencher um questionário acerca da experiência!!! Afinal boys will be boys...
Deixo-vos um sorriso de orelha a orelha, bem visível nesta imagem!!!

10 comentários:

Ana C. disse...

Pois aqui a Ana C. tem carta de mota desde os 18... Morro de saudades da sensação única que se tem quando se conduz um monster desses. É das terapias melhores para a mente.
Só acho que podias ter escolhido uma mota mais alta. Pelo que vejo tu és um bocado para o grande Miguel.

Miguel disse...

Não para de me surpreender a S. Da. Ana C!! Não te imaginava adepta das duas rodas!! Quanto ao tamanho (meu e da mota): mota maior significa mais peso e mais potência pelo que fico-me ainda por aquelas que me permitem maior controlo!!!

Sanxeri disse...

Ai eu adoro andar de moto, a alta velocidade. Faço de pendura, mas mesmo assim adoro. Ir ali amarradinha ao meu macho é bem bom.

Agora nao tenho macho. mas isso nao interessa nada. lol

Naná disse...

Miguel, o meu marido nunca quis saber de motas, só queria era biclas de bmx, cross-country e downhill. Sempre teve medo de motas, para dizer a verdade... quando a GNR o mandou ir tirar a carta de mota, para poder conduzir umas que tinham lá no posto, chagou-me a cabeça durante duas semanas, a dizer que não gostava de motas e que não queria ir, nem por diabos! Ao fim de 3 dias de estar no curso, já estava flipado com a adrenalina... é claro que tirou a carta, e depois averbou na carta civil e não é que não descansou enquanto não comprámos uma?!! Temos uma Africa Twin de 97.
Deixa-me só dizer que ele tinha 32 anos quando tirou a carta de mota... e ainda hoje diz que ainda bem que já tinha «juízo» quando a tirou...
E é uma sensação excelente! Parece que se aprecia tudo à nossa volta com mais pormenor e a sensação de liberdade é muito boa! Gosto mesmo é de andar à noite, no Verão, por causa das estrelas, apesar do frescote...
Já tenho é saudades, porque desde que fiquei grávida do meu «sacaninha» nunca mais deu para dar umas voltinhas!
E quem disse que os pouco experimentados não se saiem melhor que os outros mais habituados às lides?! Excesso de confiança...
Naná

Anónimo disse...

Oi Miguel, acho que estiveste muito bem ,devagar se vai ao longe. Eu quando comecei a andar de moto tambem optava por esse lema, até que fui ganhando mais experiência e fui abusando mais. Hoje não tenho moto e já não conduzia uma há 9 anos. Caso não saibas, eu fui um dos teus companheiros e amigo do passeio ,apesar não me ter livrado do susto...quando deixei de te ver e depois de ter sido informado por um automobilista em pleno IC19 que tinha havido um acidente mais atrás por uma moto do grupo ,realmente assustei-me , mas correu tudo bem ,á parte disso deu para tirar saudades das motos ,e "esmifrar" um pouco a Ducati Monster 1100.Para quem conhece a via rápida do Tagos Park até á rotunda de S.Marcos ,ainda cheguei a ir aos 204km/h (pura adrenalina)acho que ainda não perdi o jeito ,apesar a longa abestinência.Foi uma tarde bem passada. Cumprimentos aqui de Mem Martins

Miguel disse...

Grande amigalhaço!! É sempre bom ter um comentário de um amigo "real"!! Agora tens de é arranjar mais programas destes!!! Mesmo que as mulheres não achem muita piada...

Banita disse...

Eu conheço a via rápida que o teu amigo anónimo falou... é mesmo boa para puxar pelo bicho! Eu também gosto de andar de mota, mas já não ando há muito tempo. O meu cunhado é que é fã das motas e levou-me muitas vezes com ele! Ficou-me o consolo que eu era melhor pendura do que a minha mana, segundo ele me disse! AH, ah, ah!
Gostei deste post! Está com muita pica!

Daniel Rodrigues disse...

Bem divertido o texto!
:) Fez-me rir ou sorrir.

Cumprimentos!

Ana C. disse...

Voltando aqui ao post da mota. Não tenhas medo da potência do monstro. Ela só vai até onde tu quiseres. Eu digo sempre: Mais vale potência a mais do que a menos.
Potência a menos já me deixou aflita, a mais só lá chegas se lhe deres gás.
Olha para mim a falar como um gaijo.
É a realidade sempre fui apanhada por andar de mota. Chegava a alugar motas aos fins de semana. Mas há alguns anos que não me sento em nenhuma :(
Fico feliz por ter causado surpresa. A Ana C. tem carta de mota sim, mas aviso-te já que não tenho carta de pesados...

Anónimo disse...

Animal...
Estou a ver que estás quase convenciado a comprar... depois combinamos e damos umas voltas os 2!!!

Garcia