sábado, 5 de setembro de 2009

A Sociologia do Suor.

Sempre achei os ginásios um laboratório sociológico interessantíssimo! Que raio de pessoas pagam para correr e carregar pesos? Coisas que, noutro contexto seriam consideradas trabalho, são encaradas com abnegação e prazer. Pois contra mim falo uma vez que tenho ido todos os dias ao ginásio, desde que estou de férias! Mas, mais do que as razões que levam alguém a martirizar o corpinho com um sorriso nos beiços, o que me fascina são o tipo de pessoas que frequenta os ginásios.
Consigo destacar alguns grupos:
OS ARMÁRIOS: homens, de forma quadrada, sem pescoço, tronco largo e perninhas fininhas. Normalmente carecas e mal encarados começam o treino pela corrida. Ao fim de 5 minutos na passadeira estão a suar em bica e param. Passam a hora seguinte a "dar no ferro". Pegam, com um só braço, em halteres que aparentam pesar o mesmo que eu. A cada movimento um esgar de esforço intenso com um urro "AHHHHHH" ou "UHHHHH" ou "YEAHHHHHH", normalmente dirigido a colega de treino. Nunca treinam sós, calculo que para terem alguém que ateste que levantaram 300 kg com o dedo mínimo. A dinâmica de treino é "os meus peitorais são maiores que os teus". Não são capazes de unir os braços ao tórax e, diga-se, o tamanho dos músculos parece ser inversamente proporcional ao tamanho do pénis. Pelas conversas entre eles, são porteiros de discotecas ranhosas.
MULHER-MÁQUINA: normalmente são pequenas e magras. Não existe ponta de gordura nos seus corpinhos aparentemente frágeis. São as primeiras a chegar ao ginásio e saem sempre à mesma hora. O treino é mecanizado e cronometrado. Correm até os restantes estarem cansados só de ver, abdominais aos milhares, pesos, e corrida outra vez. São rápidas e eficazes. Têm o dom de humilhar os principiantes: cada vez que utilizo uma máquina depois delas tenho que reduzir o peso para metade. Conversam enquanto correm uma maratona, enquanto nós estamos demasiado preocupados em... respirar!
AS CORREDORAS: normalmente bem definidas. Pernas e glúteos torneados, usam calças ou calções de licra justinhos que deixam adivinhar a cueca fio-dental. O top alçado deixa ver o abdómen definido mas não musculado e define os seios. Usam rabo-de-cavalo ou uma fita no cabelo e dedicam-se a correr! E, depois de correr... correm! Passadeira, elíptica, bicicleta e tudo o que seja aérobico é para estas meninas! Distraem-nos do treino nas mais variadas ocasiões como quando treinam os glúteos, por exemplo.
OS VOIYEURS: andam pelo ginásio a topar as meninas do grupo anterior e pouco mais!
OS REFORMADOS: são... reformados. Aparecem logo pela manha com fatos-de-treino arraçados de pijama. Andam na passadeira, trabalham nas máquinas sem pesos, sentam-se nas bicicletas à conversa. Atrasam o treino dos restantes.
OS MÁQUINAS DE GUERRA: são homens aparentemente magros mas que, quando em tronco nu, exibem abdominais de aço, fortes o suficiente para servir de base a um lenhador a partir troncos! São secos, os músculos definidos ao pormenor. Correm até se esquecerem e levantam pesos com a força da mente. Normalmente praticam uma luta com um nome impronunciável como Jiu-Jitsu, Krav-maga, taekwondo. São capazes de matar um homem com as mãos e tento não cruzar o seu caminho nem deixar cair um peso em cima dos seus pés.
E, de uma forma geral, é esta a população de um ginásio! E eu? Bom, eu... eu sou de uma espécie rara que não se enquadra em nenhum destes grupos!!

11 comentários:

Anónimo disse...

Bem observado, Miguel!
Acho que só te esqueceste das donas-de-casa-mães-trabalhadoras que vão ao ginásio ao fim da tarde cheias de vergonha dos seus pneusinhos (acho que são também espécies raras...)
Gostei do fato-de-treino arraçado de pijama. LOL!

Ana C. disse...

E qual é a tua espécie? Aguardo descrição pormenorizada...

M. disse...

Paralelamente a esses grupos, podes inserir um mega-grupo que é o das pessoas ditas "normais". Aquelas que vão ao ginásio pelo benefício de saúde que implica (aliviar o stress, problemas de saúde vários), mesmo que não lhes agrade muito por aí além, e que tal como as donas-de-casa-mães-trabalhadoras referidas no comentário acima, têm alguma vergonha quando passam pelas outras pessoas que descreveste.

:)

Maria disse...

Por acaso ainda noutro dia, em conversa com uma amiga perguntava isso mesmo. Mas porquê é que nós pagamos para "sofrer".. Para no dia a seguir estarmos cheios de dores..

beijinho.

Melissinha disse...

Provas o que eu já sabia: nós, os gordos, fugimos de vez desses infernos!

DoceSussurro disse...

Olá :)
Pois, eu não gosto de ginásios... e mesmo quando me matriculei num daqueles xpto (HPlace), pagava 75€/mês e não ia :S
Foi aí que desisti dos ginásios... Não vale a pena, aquelas máquina (de tortura) não são pra mim... Não há pachorra .. Eu já detesto correr.. então correr sem sair do sítio... baaaaaah. E o que é pior, enquanto frequentei o ginásio, ganhei apetite, e consequentemente peso :O

Beijinho*

Joanissima disse...

Tu és claramente do tipo que vai pra lá espiolhar, ansioso de escrever sobre isso no seu blog!!!

: )))

(excelente post!!!)

Bypassone disse...

Miguel, tu fazes parte do sector mais abundante (e o que dura menos tempo, também...), o maçarico-só-cá-venho-nas-férias-ou-porque-ganhei-um-vale-vamos-lá-ver-o-que-isto-dá.

Miguel disse...

Na mouche Bypassone!!! Na mouche!

Anónimo disse...

Muito engraçado sem dúvida!:)
Bem observado, Miguel!
Acho que só te esqueceste das donas-de-casa-mães-trabalhadoras que vão ao ginásio à hora de almoço sem vergonha nenhuma dos seus pneusinhos (algumas delas nem os têm)e que metem no bolso muita "jovenzinha...
Clara

ishia disse...

Boa! Tens jeito para a observação dos bichos... que fabuloso David Attenborough dos ginásios!