segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Nuvem Negra.

A morte é uma presença mais ou menos constante no quotidiano de um enfermeiro. Mas há enfermeiros cujo score de doentes mortos é mais elevado do que os restantes. Sãos os "nuvens negras". Se o doente estiver à espera da morte, é com esses enfermeiros que ela chega. Eu sou um desses.
O meu destino ficou traçado logo no primeiro ano de curso. Em todos os estágios ficávamos com doentes atribuídos. Doentes que tínhamos de conhecer a fundo: patologia, antecedentes, medicação habitual, medicação no internamento, tratamento, tudo! Logo no meu primeiro estágio tive não um, não dois, mas TRÊS doentes mortos!
Por isso as coisas na minha vida profissional não são muito diferentes. Se um doente estiver "com os pés para a cova" é certo e sabido que irá morrer num dos meus turnos. É como diz o outro: ai morres morres!!

13 comentários:

Ana C. disse...

Tem que haver uma explicação lógica e estatística para esse fenómeno. Fazes os turnos da noite? É que se calhar morre-se mais de noite.
Se não houver uma explicação lógica eu não quero ser uma paciente no teu turno. No turno do anjo da morte... Grrrrrrrr

Miguel disse...

Ana, é verdade que se morre mais à noite mas isso não tem nada a ver!! Há pessoas que têm este "dom"!! Anjo da Morte... gostei!!

Melissinha disse...

THE GREEN REAPER.

Miepeee disse...

Irra, espero nunca ser tratada por ti, senao ja sei que vou desta para melhor ;)

Only Words disse...

Uiii, agora fiquei sem reacção. Quero acreditar que se trata de mera coincidência, caso contrário...quem sabe não sejas mesmo um anjo, mas um anjo bom que vê as pessoas seguirem o seu caminho para um mundo bem melhor que este ;)

Miguel disse...

Miepee, se estiveres prestes a esticar o pernil é certo que não te resta muito tempo!!!

Miguel disse...

OnlyWords, és uma querida! Eu penso que a morte é uma benesse para essas pessoas! Eu vejo pessoas em estados de sofrimento tal que a vida que eles vivem já não se pode chamar vida. Se o limbo existe, ele não é no outro mundo. É neste, numa cama de hospital com tubos enfiados nos orifícios anatómicos e com máquinas a manterem-nos deste lado.

Kitty disse...

Isso quer dizer que se eu chegar ao hospital durante o teu turno, com uma simples dor no pé, é garantido que dali vou para o jardim das tabuletas. AHAHAHAHAHAHA

Anjo da morte, é bom! Eu gostei!AHAHAHAAH

Crayon disse...

Concordo com todas as bloggers, no teu turno não quero eu dar entrada no hospital, se não já se sabe, o anjo da morte de pés para a cova me manda :P

Bjitosss

Anónimo disse...

Bem, parece que finalmente encontro alguém que me entende...
Eu também tenho o mesmo "dom" e descobrio-o mais ou menos pela mesma altura - ainda como aluna (2 doentes). E, já como profissional, o meu 1º doente e depois... já lhes perdi a conta!
O meu "dom" é já de tal forma conhecido pelos colegas que, quando há alguma situação iminemte, á chegada ao serviço me dizem: Ainda bem que estás cá, é preciso dar uma "alta celestial" na cama X! Ou o médico: " Chiii, está cá hoje!? Já me vai por a tratar de assuntos do S Pedro!!
Na verdade, actualmente, lido bem com a questão, mesmo com os promenores administrativos...! O que sempre me custa é dar a noticia á familia ou acompanhá-los no derradeiro momento! Mas, são ossos do oficio!!
A teoria, de que somos anjos que orientam as pessoas no fim da sua vida, ou que as pessoas nos escolhem para os vermos "partir" porque somos almas boas... é bonita, poética, até mesmo apaziguadora... No entanto, ficamos cá com um rótulo!!!
Sou solidária!

Cumprimentos

A.Silva

Naná disse...

Miguel, sei bem a sensação que é ver alguém morrer perante nós, dar aquele último suspiro... já me aconteceu e não sou enfermeira (aliás, quando fiz os psicotécnicos, desaconselharam-me essa profissão vivamente!)
Acho que não és anjo da morte e muito menos nuvem negra!
Acho sim que as pessoas que me morrem se sentiram amparadas pela tua presença e acharam que com ela podiam partir! Porque decerto ninguém gosta de morrer sozinho e antes de morrer deve querer sentir algum conforto, que tu de alguma forma lhes deves transmitir!
É isso que eu acho!

Ana. disse...

Gostei do que disseste sobre o limbo.
Como não acredito no purgatório, nem em nenhuma dessas visões romanceadas inventadas para justificar a existência de um deus e de uma religião, acho que a ideia de ir deixando o mundo aos bocadinhos é a verdadeira noção de limbo.
E, nesse sentido concordo com a Only Words, prefiro pensar que as pessoas como tu são anjos que ajudam os doentes a passar para outra forma de vida.

;)

Lúcia disse...

Se eu me cruzar ctg no hospital finjo que não te conheço, livra :)